Artes Visuais

Blog do curso de Artes Visuais: Licenciatura da Uergs #auergsserveproRS

Filmes sobre a ditadura no Brasil

12931270_1532997540337502_7356944666359431329_n

Período de intenso debate político, aproveitemos para assistir o que há sobre os períodos de ditadura no Brasil. Excelente oportunidade para divulgar o novo endereço do blog Artes Visuais UERGS versão 2016 (todo o acervo antigo está aqui). Para conhecer a versão 2011-2o15 do blog, clica aqui.

Imagem: #ArtePelaDemocracia, https://www.facebook.com/artepelademocraciacartazes/photos
CABRA MARCADO PARA MORRER (1984), Eduardo Coutinho – A história deste filme equivale, de certa forma, à história da própria ditadura militar brasileira. Eduardo Coutinho rodava um documentário sobre a morte de um líder camponês em 1964, quando teve que interromper as filmagens por causa do golpe. Retomou os trabalhos 20 anos depois, pouco antes de cair o regime, mesclando o que já havia registrado com a vida dos personagens duas décadas depois. Obra-prima do documentário mundial.

O QUE É ISSO, COMPANHEIRO? (1997), Bruno Barreto – Embora ficcionalize passagens e personagens, a adaptação de Bruno Barreto para o livro de Fernando Gabeira, que narra o sequestro do embaixador americano no Brasil por grupos de esquerda, tem seus méritos. É uma das primeiras produções de grande porte sobre a época da ditadura, tem um elenco de renome que chamou atenção para o episódio e ganhou destaque internacional, sendo inclusive indicado ao Oscar.

CABRA CEGA (2005), Toni Venturi – Em seu melhor longa de ficção, Toni Venturi faz um retrato dos militantes que viviam confinados à espera do dia em que voltariam à luta armada. Leonardo Medeiros vive um guerrilheiro ferido, que se esconde no apartamento de um amigo, e que tem na personagem de Débora Duboc seu único elo com o mundo externo. Isolado, começa a enxergar inimigos por todos os lados. Belas interpretações da dupla de protagonistas.

O ANO EM QUE MEUS PAIS SAIRAM DE FÉRIAS (2006), Cao Hamburger – Cao Hamburger, conhecido por seus trabalhos destinados ao público infantil, usa o olhar de uma criança como fio condutor para este delicado drama sobre os efeitos da ditadura dentro das famílias. Estamos no ano do tricampeonato mundial e o protagonista, um menino de doze anos apaixonado por futebol, é deixado pelos pais, militantes de esquerda, na casa do avô. Enquanto espera a volta deles, o garoto começa a perceber o mundo a sua volta.

BATISMO DE SANGUE (2007) – Apesar do incômodo didatismo do roteiro, o longa é eficiente em contar a história dos frades dominicanos que abriram as portas de seu convento para abrigar o grupo da Aliança Libertadora Nacional (ALN), liderado por Carlos Marighella. Gerando desconfiança, os frades logo passaram a ser alvo da polícia, sofrendo torturas físicas e psicológicas que marcaram a política militar. Bastante cru, o trabalho traz boas atuações do elenco principal e faz um retrato impiedoso do sofrimento gerado pela ditadura.

MANHÃ CINZENTA (1968), Olney São Paulo – Em plena vigência do AI-5, o cineasta-militante Olney São Paulo dirigiu este filme, que se passa numa fictícia ditadura latino-americana, onde um casal que participa de uma passeata é preso, torturado e interrogado por um robô, antecipando o que aconteceria com o próprio diretor. A ditadura tirou o filme de circulação, mas uma cópia sobreviveu para mostrar a coragem de Olney São Paulo, que morreu depois de várias sessões de tortura, em 1978.

Paula: a história de uma subversiva. Brasil, 1979.  Direção e roteiro: Francisco Ramalho Jr.
Elenco: Walter Marins, Armando Bógus, Regina Braga, Marlene França. Com o desaparecimento da filha adolescente, envolvida com drogas, arquiteto reencontra o delegado que o prendera dez anos antes por razões políticas. Este reencontro faz com que ele se lembre de Paula, militante da esquerda armada com quem ele se envolvera naquela época.

Eles não Usam Black-tie. Brasil, 1981. Direção de Leon Hirszman . Baseado na peça teatral de Gianfrancesco Guarnieri. Sinopse: Ano de 1980, um dos últimos da ditadura militar no Brasil. Em São Paulo, a greve dos operários se prepara, dividindo os sindicalistas mais lúcidos e calculistas e os mais ansiosos e impulsivos. Ao mesmo tempo em que a luta se desenvolve, Tião — filho de Otávio, sindicalista veterano marcado pela polícia — e sua namorada, Maria, tomam a decisão de se casar. Temendo que lhe aconteça o mesmo que ao pai, Tião nem pensa em ficar do lado dos grevistas, hesitando mesmo em ficar do lado da empresa.

CABRA MARCADO PARA MORRER. Filme documentário, Cabra Marcado para Morrer foi dirigido por Eduardo Coutinho inicialmente em fevereiro1964, sendo obrigado a interromper as filmagens devido ao golpe militar de 31 de março, quando as forças militares cercam a locação no engenho da Galiléia. Dezessete anos depois em 1984 retoma o projeto, seu lançamento foi no ano seguinte em 1985. Conta história das Ligas Camponesas de Galiléia e de Sapé além da vida de João Pedro Teixeira que era um líder camponês da Paraíba assassinado a mando de latifundiários de Pernambuco em 1962. Através de depoimento da viúva Elizabeth Teixeira, de seus filhos e de camponeses que presenciaram a história, coletou informações para o documentário. O tema principal do filme passa a ser a trajetória de cada um dos personagens que, por meio de lembranças e imagens do passado, evocam o drama de uma família de camponeses durante os longos anos do regime militar.

PRA FRENTE BRASIL (1982). Roteiro de Roberto Farias. Argumento de Reginaldo Farias e Paulo Mendonça. Dirigido por Roberto Farias. Estrelando Reginaldo Faria, Natália do Valle, Antônio Fagundes & Elizabeth Savalla. SINOPSE: Em 1970, em plena euforia do milagre econômico e da vitória da seleção brasileira na Copa de 70, um pacato cidadão da classe média, Jofre Godoi da Fonseca, é confundido com um ativista político, sendo então preso e torturado por um grupo que combate “subversivos”, patrocinado por empresários. A mulher e o irmão de Jofre investigam seu desaparecimento, pois não conseguem o apoio da polícia.

Que Bom Te Ver Viva (1989), Lucia Murat

Jango (1984), Silvio Tendler. Documentário sobre a vida política do presidente João Goulart, o famoso Jango

Vlado: 30 anos depois (2005), João Batista de Andrade. No dia 25 de Outubro de 1975, o jornalista Vladmir Herzog apresentou-se ao DOI-CODI (órgão da repressão política do regime militar) para prestar um depoimento. No fim da tarde do mesmo dia, a família e amigos de Vlado recebem a terrível notícia: Vlado estava morto e, segundo fonte oficial, teria cometido suicídio na prisão. O filme revela, a partir de depoimentos de amigos, familiares, colegas que viveram com ele a história, a amplitude das perseguições daqueles momentos, a trajetória do jornalista, desde sua infância, na Iugoslávia, com sua família de origem judaica, fugindo da perseguição nazista, suas idéias políticas, sua militância, seu senso de ética, até sua posse como Diretor de Jornalismo na TV Cultura de São Paulo e a perseguição a ele iniciada naquele momento e o horror dos porões do regime militar, onde imperava a tortura e os assassinatos políticos. Vladimir Herzog foi um daqueles que se preocupavam muito com a liberdade da sociedade, diferentemente de muitos jornalistas renomados da sua época. Talvez por isso o seu destino foi semelhante à imprensa que lutava contra a Ditadura: a Morte. Mas sua morte semeou a rebeldia em certos setores da sociedade. Conheça a vida de Vlado e além disso, conheça um pouco da imprensa tradicional brasileira, a mesma que pediu sua cabeça. Direção: João Batista de Andrade

Tempo de resistência (2005), André Ristun. A premissa do documentário Tempo De Resistência é a luta guerrilheira contra a D.M. nos anos 60 e início dos 70, a partir do ponto de vista de seus integrantes na época. Essa postura permitirá aos espectadores atuais uma avaliação real do que foi a resistência armada no Brasil, em seu período mais crítico, com todos seus erros e acertos. É justamente esse tratamento, que prioriza a visão dos militantes de então, que pode nos dar um entendimento mais profundo do que foi a mobilização contra um governo cada vez mais armado e autoritário. Só assim, compreenderemos o isolamento progressivo em que caiu ME e as razões que levaram às diversas dissidências, que desaguaram na guerrilha e nas consequências trágicas de uma guerra subterrânea que era desconhecida da maioria da população pela censura oficial. Assim, tratou-se da conjuntura do Golpe de 1964, as prisões e os primeiros protestos de estudantes. Como se estruturou a repressão e a resistência à ditadura, num processo nacional que alcançou até regiões do interior, com especial atenção para Ribeirão Preto, como exemplo do que aconteceu em outros locais. Mais no link do filme…

Síntese das listas publicadas em http://www.revistaforum.com.br/2015/03/17/50-filmes-para-conhecer-fundo-ditadura/ e http://www.pragmatismopolitico.com.br/2014/03/11-filmes-para-entender-a-ditadura-militar-no-brasil.html

 

Anúncios

Sobre Artes Visuais UERGS

Sou Carmen Capra, Professora do Curso de Artes Visuais: licenciatura da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul. Mantenho o blog desde 2011 para registrar eventos do curso e da universidade e para formar bancos de dados para o uso dos alunos e para uso geral. Participou da montagem deste blog, em 2015, Ana Paula Goulart Velho. Endereço anterior: . Em 2017-2, atualizações realizadas por Raphael Júnior Almeida Batista, Bárbara Spohr, Jozieli Weber e Odalissa Sorrilha, monitores voluntários do Ateliê Livre de Artes Visuais - ALAV.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 31 31UTC março 31UTC 2016 por em Sem categoria.

Arquivos de post

Artes Visuais

Blog do curso de Artes Visuais: Licenciatura da Uergs #auergsserveproRS

WordPress.com em Português (Brasil)

As últimas notícias do WordPress.com e da comunidade WordPress

%d blogueiros gostam disto: